Regulamentação da profissão

Compartilhe:
Regulamentação da profissão 

Aguardada por mais de 35 anos (sim, a mais de 30 anos que esperávamos), a legalização da nossa amada profissão de Design de Interiores foi chancelada, no último 13 de dezembro, pelo presidente Michel Temer. Como toda conquista merece comemoração, aproveito aqui minha coluna no MiMostra para falar a respeito.

Quem acompanhou a batalha, vibrou a cada vitória em que o projeto de lei avançava em Brasília. E, a cada passo à frente, surgiam vários questionamentos que apontavam o quanto o mercado não conhecia a abrangência desta atuação profissional.

Boa parte dos profissionais de Design de Interiores (DI) que atuam no mercado tem formação específica de design de interiores, cursos de nível superior (4 anos bacharel; 2 anos Tecnólogo) e técnico (800 horas). Para cada formação há uma compreensão aprofundada sobre todas as áreas que envolve esta profissão, no entanto, existem também os autodidatas, profissionais que devido a sua prática profissional de anos e anos (cerca de mais de 20 anos), lhe deram competência para atuarem com primor no mercado e se consolidaram mediante a diversas publicações em revistas, participação em mostras, entre outros. Estes profissionais que são quase os pioneiros deste segmento, recebem todo respeito e admiração de nossa categoria (Vide livro ABD –De Portas Abertas 2015).

Alguns cursos de nível superior, mesmo os mais antigos (UFRJ, UFU), já eram reconhecidos pelo MEC, porem, mesmo tendo tal chancela, os alunos ao saírem da faculdade, encontravam dificuldade em exercer sua profissão, devido a restrição imposta antes de 2012 pelo CREA, e depois de 2012, pelo CAU, quando este Conselho foi fundado.

Um período em que os jovens profissionais se encontravam desolados, decepcionados e indignados com o constrangimento a que eram submetidos.

Em 2013, como vice presidente da ABD, comecei junto a toda diretoria, o firme propósito de Regulamentar a profissão, e transformar a ABD numa associação com foco em capacitação, aperfeiçoamento profissional dos associados, preparando-os para o futuro. Palestras técnicas, reuniões, debates e   discursos sobre ética, direito e deveres da profissão, foi o ponto básico para preparar para um período pós regulamentação.

A conquista da LEI 13.369 se deu com base na dedicação de todos designers de interiores do país e também com o apoio das ABD-Regionais e suas dedicadas diretoras que movimentaram todo setor de lojistas, alunos, professores e associados, em um trabalho sincronizado para conscientizar toda a classe de políticos sobre nossa profissão.

Mas, o que o Design de Interiores realmente faz? Quais são de fato suas atribuições?

O design de interiores é o profissional especializado em transformar ambientes e deixá-los sob medida aos seus usuários. Sua competência envolve diversas áreas do conhecimento, desde psicologia, física, geometria, ergonomia, antropometria, além de conhecimento de História da Arte, História do Mobiliário, e Arte contemporânea, além do domínio completo de desenho de mobiliário para executar em fábricas moveleiras.

O desafio do design de interiores, é, sobretudo, criar projetos personalizados e originais, que vão realmente ao encontro do perfil do ser humano que vai ocupar e usar o novo espaço. A beleza e a estética é consequência da função bem resolvida, já que o foco é analisar a gestualidade durante o uso.

Devido seu conhecimento aprofundado, o profissional dedica horas para interpretar expectativas dos clientes, e, somente após uma análise criteriosa de todas as informações coletadas, iniciará os primeiros traços do projeto. Gosto de dizer que oferecemos ao nosso cliente, uma alfaiataria sob medida de alto padrão e altamente personalizada.

Agora, o profissional de design de interiores, está livre para criar e trabalhar dentro daquilo que lhe compete, e é importante salientar que seu trabalho é complementar a outras categorias, seja engenharia civil, ou mesmo, arquitetura.

Parabéns a todos profissionais atuantes e, principalmente aos jovens, pois a partir de 13/12/2016, podem escrever uma nova historia de sucesso em suas atuações, com muita liberdade, criatividade, ética e sobretudo respeito.

Comente e compartilhe